sábado, 10 de janeiro de 2015

Is the Sea

  Ele me olhava como se houvesse somente nós no ambiente. Por um tempo realmente foi isso que aconteceu. Todos desapareceram e restou somente nossa existência. Tudo desapareceu e só ficamos nós.
  O olhar dele me cativava. O olhar dele me fazia querer sorrir e gritar para o mundo todo o quanto eu o amava e o quanto eu sentia falta dele. O olhar dele me fazia entrar em um mundo somente nosso. Onde ninguém mais nos atrapalharia.
  O tempo passava, mas nós não ligávamos para isso. O tempo podia escorrer o mais rápido que fosse, mas continuaríamos ali. Olhando um para o outro e esperando o primeiro a dar o passo para o nosso encontro mais próximo.
  Foi ele quem cedeu à vontade de nos aproximarmos primeiro. Quando ele se aproximou foi o único momento em que eu voltei a notar que havia pessoas entre nós. Havia outras famílias, outros casais de apaixonados celebrando o retorno marítimo de seus amados para casa. Mas nada além dele me importava.
   Ele se aproximou por completo e logo já estávamos abraçados. Senti o cheiro de mar em seus cabelos e fechei os olhos recordando-me de quanto tempo ele esteve fora. Foram quatro meses. Quatro longos e torturantes meses, onde um lado da cama desgastava-se desigualmente do outro. Quatro meses sem ele.

    Ele me apertava contra o corpo dele de tal forma que nada mais podia eu fazer, além de voltar a respirar o aroma dos cabelos dele. Cheiro de maresia. Cheiro dele. E pela primeira vez em alguns meses, eu senti que era ele. Ele estava de volta ao lar. De volta para mim.

(Tenerife Sea - Ed Sheeran)

"Cause all that you are is all that i'll ever need"

Nenhum comentário:

Postar um comentário