domingo, 7 de dezembro de 2014

Pensamentos da semana

 E cá estou mais uma vez. Sentada e a beira de um provável colapso a espera de um texto novo.
 Não sei bem o motivo, mas, apesar de tantas coisas estarem acontecendo na minha vida e terem acontecido por esses tempos, eu não consigo passar e esclarecer para o papel tudo isso.
 A minha maior dificuldade não está sendo o tempo. Está sendo a falta de criatividade. Eu não consigo achar palavras que conseguissem expressar tudo o que sinto com a maestria que gostaria de expressar.
  Para tentar amenizar isso, eu listarei alguns acontecimentos que acho importante ressaltar.
1-      Um amigo meu, que agora pode não ser mais tão amigo, estava provavelmente nutrindo algum “sentimento” por mim. O que, para a Isabela que nunca houvera sido amada desse jeito na vida, é uma coisa inédita.  O que não é tão inédito assim é que ele escolheu a outra. Com esse fato eu já me acostumei. Eles sempre escolhem as outras.
2-      Estou entrando em uma nova fase de minha vida. Fase que quero que passe logo. Odeio ter esse tipo de mudança drástica em minha vida. Mas, essa, por pura infelicidade, é necessária para o bom andamento do que me resta de vida. *
Sei que disse inicialmente que várias coisas estavam acontecendo em minha vida. Também sei que essas duas coisas não expressam “várias coisas”. São somente duas, mas, essas duas já causam um peso danado.
A primeira não é muita novidade a ninguém. Em todos os meus prováveis relacionamentos, eles sempre escolhem a outra opção. E não adianta pirraça. Eles vão analisar e preferir a outra.
Mas, a novidade é que eu nem mesmo nutria nada pelo cidadão. Estava confusa, é bem verdade, mas, ele quem nutria tudo. Para mim, ele não passava de um amigo. Então, ele mesmo “se jogou de lado” no nosso belo relacionamento inexistente.
       A segunda coisa já é um pouco mais complicada. Estou passando por algumas mudanças externas em minha vida (o ano de 2014 está acabando e em 2015 eu iniciarei uma nova etapa) e, passando por essas mudanças externas eu acabei notando algumas internas que ocorreram em apenas dois anos.
     Há dois anos meus sonhos eram outros. Os objetivos de vida eram outros. Hoje, a única coisa em que penso é: Será que se eu for por esse caminho eu alcançarei o ápice da felicidade?
     Há dois anos eu não pensava que um dia fosse achar algo que realmente me fizesse feliz. Há dois anos eu era uma simples garota que queria fazer faculdade de direito e ser uma advogada criminal. Hoje, eu sou uma garota que só quer fazer o que mais me faz feliz na vida.
     É bem verdade que eu realmente odeio passar por algumas mudanças, mas, a que estou passando é muito necessária para o andamento da vida. Gostaria de poder atrasar um pouco mais o tempo, porém, eu não posso fazer isso. O jeito é tentar me acostumar com as mudanças e tentar ser feliz ao máximo.


*Não estou sendo melodramática. Estou sendo somente realista.  A verdade é que a cada dia que passa, nós perdemos um pouco da vida e o fim se aproxima. Nascemos, vivemos e morremos.  Tentamos viver bem para que o terceiro estágio seja menos doloroso. É o que estou tentando fazer. Estou tentando viver bem e ser feliz o máximo que consigo nesse pequeno espaço entre nascimento e morte. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário